sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Igrejas terão horário de funcionamento e capacidade reduzidos em novo decreto no Ceará


O governador Camilo Santana informou, na tarde desta sexta-feira (26), que as igrejas terão horário de funcionamento e capacidade de fiéis assistindo aos eventos de forma presencial reduzidos. Agora, de segunda a sexta, os eventos religiosos poderão acontecer até 19h. Já aos fins de semana, até 17h.

Os locais deverão operar com até 30% da capacidade, para estimular as celebrações de forma virtual, explicou o chefe do Executivo estadual. As medidas passarão a valer a partir deste sábado (27).

Também nesta sexta-feira (26), o governador anunciou a ampliação do "toque de recolher" e reduziu novamente o funcionamento das atividades econômicas consideradas não essenciais.

A circulação de pessoas, que antes era proibida a partir das 22 horas, passa a ser às 20h. Já as empresas deverão fechar às 19h. As restrições valem a partir deste sábado (27) até o próximo dia 7 de março.

Veja quais as novas medidas anunciadas:

- Toque de recolher entre 20h e 5h, de segunda a sexta-feira, e entre 19h e 5h aos sábados e domingos, com saídas permitidas somente em situação de comprovada necessidade;

- Comércio de rua funciona de segunda a sexta-feira até as 17h. As outras atividades econômicas e as religiosas, até 19h. Serviços essenciais podem funcionar após esse horário. No sábado e domingo, restaurantes funcionam até as 15h, e outras atividades econômicas e religiosas até as 17h;

- Espaços públicos continuam com circulação restrita todos os dias a partir das 17h;

- Igrejas devem realizar suas atividades com até 30% de sua capacidade, e estimular as celebrações de forma virtual;

- Academias de ginástica devem funcionar com 30% de sua capacidade, devendo fazer o agendamento de horários para o devido cumprimento de todos os protocolos sanitários;

- Continua remoto o trabalho para servidores públicos, com exceção das atividades essenciais. Recomendação para a mesma medida junto ao setor privado;

- Seguem as barreiras sanitárias em Fortaleza, com recomendação para o controle por parte dos municípios no Interior.

Informação Diário do Nordeste