terça-feira, 18 de abril de 2017

Chuvas continuam escassas em todo o Estado do Ceará

O afastamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) reduziu a chuva no Ceará e essa é a tendência para os próximo dois dias. A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) registrou precipitações em apenas nove municípios entre as 7h de domingo e 7h de ontem. As cinco maiores foram em Jucás (16mm), Cariús (15mm), Cedro (14mm), Antonina do Norte (12mm) e Umari (7mm).
Para hoje, a Funceme prevê possibilidade de chuva isolada nas regiões Noroeste e Sul do Estado, no decorrer do dia. Nas demais áreas, céu parcialmente nublado a claro. Para amanhã (19), nebulosidade variável com possibilidade de chuva no Centro-Sul. A tendência, no decorrer da segundo quinzena deste mês e em maio é a diminuição da pluviometria, de acordo com a média histórica.
Bom para a agricultura
As chuvas permanecem finas, localizadas, favorecendo a safra de grãos de sequeiro (milho e feijão), mas sem contribuir para o aumento do nível dos médios e grandes reservatórios. Em algumas áreas, até mesmo pequenos açudes e lagoas permanecem com baixo volume ou mesmo secos. É o caso da localidade de Água Fria, em Baú, zona rural de Iguatu. "Para a agricultura, o inverno está bom, mas até agora não fez água", disse o produtor rural Francisco Ribeiro.
Ruim para o aporte
As lagoas de Barro Alto, Iguatu, Saco e Baú, por exemplo, permanecem secas. O Açude Trussu não teve recarga ainda e está com apenas 13% de sua capacidade. Em outros municípios, o quadro permanece semelhante. "Essa situação nos traz preocupação", observou o subsecretário de Recursos Hídricos do Estado, Aderilo Alcântara. "Estamos caminhando para o fim da quadra invernosa sem significativas recargas, até mesmo em açudes da Bacia Metropolitana, onde tem chovido mais".
Segundo a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), ontem, houve aporte de 4,8 milhões, em 54 açudes. O São José III deixou a categoria de volume morto. Há 11 sangrando: Acaraú Mirim (Massapê); Caldeirões (Saboeiro); Cauhipe (Caucaia); Itaúna (Granja); Maranguapinho e Itapebussu (Maranguape); São Pedro Timbaúba (Miraíma); Tucunduba (Senador Sá); Valério (Altaneira); Gameleira e Quandu em Itapipoca. Os três maiores continuam com baixo acúmulo: Castanhão (5,8%), Orós (10,8%) e Banabuiú (0,7%).
Fonte: Diário do Nordeste