sábado, 11 de março de 2017

Ceará é primeiro no Nordeste, Norte e Centro-Oeste e sexto do País em número de transplantes de órgãos

O Ceará registrou no ano passado, 1.874 transplantes de órgãos e tecidos. O número fez com que o Estado se tornasse o primeiro das regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte e o sexto do País com o maior número de procedimentos desses tipos. A informação foi divulgada nesta sexta-feira, 10, pela Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO).

No ano passado, o Ceará estabeleceu novo recorde, um número 31% a mais que os 1.430 transplantes de 2015. O Brasil obteve aumento de 3,5% na taxa de doadores efetivos de órgãos e tecidos para transplante, atingindo 14,6 doadores por milhão da população .

Conforme o RBT, cinco estados foram destaques na doação de órgãos: Santa Catarina (36,8), Paraná (30,9), Distrito Federal (25,7), Rio Grande Sul (25,2) e Ceará (24,9), que elevou a taxa em 6% em relação a 2015.

Segundo a Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), neste ano, foram realizados no Ceará 263 transplantes de órgãos e tecidos – 132 em janeiro, 115 em fevereiro e 16 até 9 de março. Foram 38 transplantes de rim, 3 de coração, 36 de fígado, 9 de medula óssea (6 autólogos e 3 alogênicos), 176 de córnea e 1 de esclera.

Destaques em números de transplantes

O Ceará obteve mais um destaque no ano passado, ao realizar 1.267 transplantes de córnea. Isso fez com que o Estado tivesse o segundo melhor desempenho em números proporcionais e absolutos nesse tipo de procedimento cirúrgico e zerasse a fila de espera de transplantes deste tipo de tecido.

O Estado também foi destaque nacional em transplantes de fígado e coração. Nos transplantes hepáticos, realizou 21,9 transplantes por milhão da população (pmp). Nos transplantes cardíacos foram 3,6 pmp. O Ceará também foi o terceiro do país em transplante pediátrico de rim, com 14,7 procedimentos pmp, abaixo do Distrito Federal (16,1) e Rio Grande do Sul (15,5).

Além de córnea, o Ceará realizou em 2016 o maior número de transplantes de coração (32) e medula óssea (97) desde que esses procedimentos foram iniciados no Estado.

Fonte: O Povo