terça-feira, 14 de março de 2017

Lula senta nesta terça no banco dos réus da Lava Jato

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será interrogado nesta terça-feira, 14, na Justiça Federal em Brasília. É a primeira vez que Lula senta no banco dos réus da Operação Lava Jato. O depoimento do petista está marcado para esta manhã no processo em que é acusado por suposta tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da área Internacional da Petrobrás Nestor Cerveró.
São réus nesta ação, além de Lula, o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente, o ex-senador Delcídio Amaral (ex-PT/MS), o banqueiro André Santos Esteves, o ex-assessor de Delcídio Diogo Ferreira Rodriguez, o advogado Edson Siqueira Ribeiro Filho, e o filho de Bumlai, Maurício Barros Bumlai.
Delcídio é um dos delatores da Lava Jato. Ele foi preso em flagrante novembro de 2015, por determinação do Supremo Tribunal Federal. Em troca da liberdade, o ex-líder do Governo no Senado assinou termo de colaboração premiada com a força-tarefa da Procuradoria-Geral da República.
Lula, Delcídio e os outros são acusados de "agirem irregularmente para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato". O interrogatório do ex-presidente estava marcado para 17 de fevereiro. Após a morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia, mulher do petista, ocorrida no dia 3 de fevereiro, o juiz adiou o depoimento do ex-presidente para 14 de março.
A expectativa em torno do depoimento de Lula é excepcional. A audiência vai até provocar mudanças no trânsito no entorno do prédio da Justiça Federal em Brasília. Segundo a Assessoria de Imprensa da Justiça, desde o início da manhã, a W2 Norte estará interditada para o tráfego de veículos.
Curitiba
O outro depoimento de Lula como réu está marcado para 3 de maio, às 14h, desta vez frente a frente com o juiz federal Sérgio Moro, símbolo da Lava Jato. No processo que corre na 13ª Vara Federal em Curitiba o petista é acusado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Esta será a primeira vez que o petista e Moro ficarão frente a frente na sala de audiência do 2.º andar do prédio da Justiça Federal na capital paranaense.
Neste caso, a denúncia do Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio - de um valor de R$ 87 milhões de corrupção - da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao suposto recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira OAS por meio de um tríplex no Guarujá, no litoral de São Paulo, e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, mantido pela empresa Granero de 2011 a 2016.
Fonte: Diário do Nordeste