terça-feira, 14 de março de 2017

Corpo é encontrado, e motorista se apresenta

 
O suspeito de atropelar e matar a empregada doméstica Francisca Sulamita dos Reis Marques, 52, se apresentou no 6ºDP (Messejana), na tarde de ontem. Ele assumiu o crime e revelou o local onde teria ocultado parte do cadáver da vítima, na Rua Isabel Sales, no bairro Pedras. O veículo que o estudante Marluan Teixeira Freire, de 23 anos, dirigia foi localizado e apreendido pelo Departamento de Inteligência da Polícia Civil (DIP), horas antes de ele se apresentar.
Sulamita Marques morreu ao ser atropelada por um veículo em alta velocidade, na BR-116, na noite de sexta-feira (10). Com o impacto, o corpo da mulher foi desmembrado. Apenas a parte inferior, da cintura para baixo, foi encontrada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Desde então, a Polícia Civil procurava a outra parte do cadáver.
De acordo com o diretor do DIP, delegado Renê Andrade, a parte que estava desaparecida caiu dentro do veículo, após o atropelamento, e Marluan Teixeira a levou até a oficina do seu pai, localizada no bairro Paupina, onde envolveu o cadáver com um saco e um pano e o despejou na Rua Isabel Sales. A Polícia Civil investiga se familiares do suspeito o ajudaram na ocultação do corpo.
O restante do corpo de Sulamita foi encontrado já em estado de putrefação e foi removido pela Perícia Forense do Ceará (Pefoce), que o levou em seguida para a Coordenadoria de Medicina Legal (Comel). Familiares acompanharam a remoção emocionados. "É uma perda difícil. É doloroso ver os filhos, além de perder a mãe, ainda ter que procurar pelo corpo. A gente nem consegue sentir nada por essa pessoa [suspeito]. O que a gente quer é dar um enterro digno para ela", disse uma parente, que preferiu não se identificar.
"O objetivo da Polícia Civil era fazer o pleno esclarecimento desse fato lamentável com essa senhora, localizando e identificando o autor do delito, apreendendo o veículo e localizando também o corpo, para que ela pudesse ter um sepultamento digno", afirmou o diretor do DIP.
Sem CNH
Após se apresentar no 30ºDP (São Cristóvão), Marluan Teixeira foi levado ao 6ºDP, onde prestou depoimento sobre o atropelamento e a ocultação do cadáver. Ele confessou que não possuía Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e que dirigia com velocidade superior à permitida na rodovia, a mais de 100 km/h.
Segundo o titular da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Leonardo Barreto, há informações de que o suspeito participava de 'rachas' (corridas irregulares). A Polícia Civil investiga se o excesso de velocidade em que Marluan trafegava, no dia do ocorrido, era motivado por essa prática, o que pode aumentar a culpabilidade. Ele já irá responder pelos crimes de homicídio qualificado, fraude processual e ocultação de cadáver.
O crime de fraude processual se dá pela ocultação de provas presentes no veículo. "Várias partes do carro, como motor, banco e para-brisa, foram retirados, o que nos leva a concluir, ainda que preliminarmente, que isso foi feito para dificultar a ligação do veículo com o crime", analisou Leonardo Barreto.
As partes do carro foram encontradas na oficina do pai do suspeito, em Messejana, na manhã de ontem. Já a carcaça do veículo, um Chevrolet Corsa de cor vermelha, foi apreendida, em uma oficina no Montese.
Fonte: Diário do Nordeste