sábado, 29 de julho de 2017

Presidente Michel Temer comemora resultados da economia

O Palácio do Planalto divulgou neste sábado (29) mais um vídeo na conta oficial do presidente Michel Temer no Facebook. Desta vez, a publicação comemora os resultados da economia.
 
No vídeo, Temer diz que o governo "está melhorando a economia". "A inflação baixou no mês de junho. Nos últimos 12 meses está em 3,5% contra mais de 10% quando assumi a Presidência da República no ano passado", diz.
 
Outra boa notícia, acrescenta o presidente, é que pela primeira vez em quatro anos a taxa básica de juros, a Selic, está abaixo de dois dígitos. Na última quarta-feira (26), o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central reduziu a Selic em 1 ponto percentual para 9,25% ao ano, o menor nível desde agosto de 2013. "Os juros caíram para 9,25% ao ano ano na sétima queda seguida. Isso é importante para você que quer comprar a casa própria, adquirir um carro ou eletrodoméstico, por exemplo", diz Temer.
 
Produção industrial
 
"Mas as boas notícias não param por aí. A produção industrial avançou e cresceu 4% em relação a maio do ano passado. Essa semana demos ainda um passo decisivo na modernização das leis do setor mineral. Eliminamos entraves, facultamos atividades de pesquisa, fortalecemos a segurança jurídica, simplificamos processos e criamos a Agência Nacional de Mineração. Tudo isso respeitando o meio ambiente. Esses bons resultados só nos aninam a continuar trabalhando pelo Brasil. Vamos em frente", finaliza o presidente.
 
Na sexta (28), Temer divulgou outros dois vídeos. No final da tarde, foi publicado um vídeo para comemorar a queda da taxa de desemprego. O presidente também anunciou o adiantamento das parcelas do 13º salário para os aposentados.
 
Na outra publicação, pouco depois de assinar um decreto autorizando o uso das Forças Armadas no Rio de Janeiro, Temer veio a público comentar a decisão. O presidente iniciou a mensagem afirmando que o emprego de militares está amparado pela Constituição Federal. Dirigindo sua fala aos moradores do Rio de Janeiro, justificou o decreto citando a gravidade da crise de segurança pública no Estado.

Fonte: Diário do Nordeste