quarta-feira, 19 de abril de 2017

Conta de luz de residências cai 0,39%; menor reajuste do NE

A partir do próximo sábado (22), as contas de luz dos cearenses terão reajuste médio de 0,15%, o menor aumento desde 2013 e o mais baixo da região Nordeste até agora. Para os consumidores residenciais e comércio (baixa tensão), que representam cerca de 80% dos clientes da Enel Distribuição Ceará (antiga Coelce), o valor cobrado pela energia elétrica sofreu redução de 0,39%. Para a indústria, no entanto, a alta foi de 1,44%. Já para os consumidores residenciais de baixa renda, o recuo estabelecido foi de 0,33%.
Aprovado ontem (18) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o reajuste ficou bem abaixo da inflação dos últimos 12 meses, medida pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) e pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que foi de 4,86% e 4,57%, respectivamente.
Além da Enel, a Aneel também aprovou nessa segunda-feira os reajustes médios para as distribuidoras do Rio Grande do Norte (3,38%), Bahia (3%) e Sergipe (9,29%). Em todos os estados, os aumentos passarão a vigorar no dia 22 deste mês. Até agora, com 0,15%, o Ceará conta com o menor reajuste da região Nordeste.
A próxima mudança será em Pernambuco, a partir de 29 de abril, onde estima-se correção de 1,24%. Depois, vêm Alagoas, Maranhão, Piauí e Paraíba, cujo calendário de reajuste tarifário anual é em 28 de agosto.
Na Paraíba, porém, já houve revisão tarifária negativa de 1,91% neste ano, que passou a valer em 4 de fevereiro.
O presidente do Conselho de Consumidores da Enel Distribuição Ceará, Erildo Pontes, acredita que o reajuste médio no Estado poderia ter sido negativo caso não fosse a indenização de R$ 62,2 bilhões que a União deve a transmissoras de energia. Essa dívida recaiu sobre as costas do consumidor brasileiro, que terá oito anos, até 2024, para pagar essa indenização.
De acordo com ele, a Enel pleiteou, para este ano, reajuste médio de 0,44%, mas o pedido não foi aceito pela Aneel após a análise dos diferentes fatores que influenciam o reajuste. "Como consumidores, estamos satisfeitos com o aumento médio deste ano, que vai ajudar a aliviar o bolso do cearense, contribuindo para melhorar a economia do Estado", destaca.
Erildo lembra, ainda, que o aumento nas contas de luz dos cearenses acompanhou basicamente a tendência nacional, cuja maioria dos reajustes foi negativa até o momento.
Fonte: Diário do Nordeste