quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Camilo anuncia delegado da PF como novo secretário de segurança do CE

O delegado da Polícia Federal André Costa, de 38 anos, foi escolhido pelo governador Camilo Santana para assumir o cargo de secretário da Segurança Pública do Ceará. O anúncio foi feito na tarde desta quinta-feira (5), na página oficial do governador no Facebook.
André Costa substitui o delegado federal aposentado Delci Texeira, que pediu exoneração do cargo nesta semana para cuidar de assuntos pessoais. Atualmente, o delegado André Costa estava trabalhando na polícia do estado de Alagoas.
Conforme anúncio feito por Camilo Santana, o delegado tem 17 anos de experiência na área policial. Ele é delegado federal desde 2002 e foi superintendente adjunto nos estados de Alagoas e Tocantins. Neste período, André atuou nas delegacias de combate ao tráfico de drogas, crime organizado e crimes patrimoniais.
O governador acrescentou que o novo secretário da SSPDS terá o dever de "melhorar ainda mais o trabalho que vem sendo realizado nessa área (segurança pública) nos últimos dois anos". Uma das prioridades do novo secretário deverá ser o combate aos homicídios no estado, segundo descreveu o governador. Camilo também espera que o titular da pasta consiga frear os casos de roubos e furtos no estado.
"2015 e 2016 foram de importante queda nesses números (homicídios), quando realizamos grandes investimentos em pessoal e equipamentos, mas o desafio agora, além de manter essa meta, é combater intensamente os crimes de assaltos e furtos, que criam uma sensação de insegurança na população, além do incessante combate ao tráfico de drogas e ao crime organizado", informou.
"Desejo boa sorte ao novo secretário e agradeço publicamente a Delci Teixeira, que deixa a pasta, pelo grande trabalho realizado", descreveu Camilo Santana.
Perfil

André Costa tem 38 anos, nasceu no Ceará e é delegado da Polícia Federal há cerca de 15 anos. Ele é graduado em direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e especialista em ciências criminais pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). No começo da carreira, atuou também na Polícia Civil do Ceará.

Exoneração


O ex-secretário participou da apresentação do índice de homicídios na quarta-feira (4) e, na ocasião, fez um balanço do período em que esteve à frente do cargo. "Acho que o trabalho que foi feito pelos servidores da secretaria de segurança pública deu resultado, que se percebe pelo CVLI (crimes violentos letais e intencionais). Dados que são pegos para ranquear os estados e as capitais em termos das violências", analisou.
"A situação mais delicada foi a onda de rebeliões nos presídios (em maio de 2016), onde pessoas estavam sendo mortas, o patrimônio público estava sendo depredado e a população estava entrando em pânico", relembrou.
Fonte: G1