sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Bombeiros retiram todos os corpos do local do acidente que matou Teori

Foram resgatados os dois últimos corpos do acidente envolvendo o avião onde estava o ministro Teori Zavascki, em Paraty, Costa Verde do Rio de Janeiro. Trata-se do piloto do avião, Osmar Rodrigues, e de uma mulher que estava presa nas ferragens da aeronave.

Cinco pessoas morreram na queda do avião no mar nesta quinta-feira (19):

- Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal
- Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, empresário
- Osmar Rodrigues, piloto do avião
- Maira Lidiane Panas Helatczuk, massoterapeuta de Filgueiras
- Maria Ilda Panas, mãe de Maira

As identidades das duas mulheres foram confirmadas pelo Hotel Emiliano, o proprietário do avião, nesta sexta-feira (20).
Equipes já tinham recuperado os corpos de Teori, do empresário e de uma das mulheres. Eles chegaram no início desta madrugada ao instituto Médico Legal (IML) de Angra dos Reis (RJ) para perícia. As duas últimas vítimas foram levadas para um centro de apoio montado em uma marina às margens da rodovia Rio-Santos. Depois, também serão encaminhadas ao IML.
Homens da Marinha, Aeronáutica e Bombeiros trabalharam nas buscas dos corpos. Os militares realizaram uma operação para estabilizar a aeronave, que tinha parte submersa.
Ainda nesta sexta, a operação deve fazer o içamento da aeronave. Não chove nesta manhã em Paraty, mas o tempo permanece nublado.
O acidente
O avião prefixo PR-SOM era um modelo Hawker Beechcraft King Air C90 e pertencia ao grupo Emiliano Empreendimentos. De pequeno porte, tinha capacidade para oito pessoas.

Segundo a Infraero, a aeronave decolou às 13h01 do Campo de Marte, em São Paulo, com destino a Paraty, e caiu próximo à Ilha Rasa, a 2 km de distância da cabeceira da pista do aeroporto da cidade fluminense. O acidente ocorreu por volta das 13h45.
Ainda não está totalmente claro o que ocorreu. Chovia bastante no momento do queda, segundo imagens de radar. O mau tempo é um fator que pode comprometer a aproximação do aeroporto de Paraty, em que as aterrissagens só podem acontecer em condição visual.
Testemunhas disseram que não houve explosão. Uma delas afirmou ter visto o avião voando baixo ao fazer uma curva e batendo uma das asas no mar.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que a documentação da aeronave estava regular. O certificado era válido até abril de 2022, e inspeção da manutenção (anual) estava válida até abril de 2017.

O piloto Osmar Rodrigues, de 56 anos, era conhecido por ser "muito cuidadoso" e chegou a dar palestra para outros pilotos sobre como fazer a rota São Paulo-Paraty, segundo informações do Bom Dia Brasil.
Investigações

A apuração das razões técnicas que contribuíram para o acidente, como a influência do mau tempo, da aeronave e do piloto, ficam a cargo do Cenipa, que esteve no local da queda na quinta-feira. Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal (PF) irão apurar se houve eventual intenção deliberada de derrubar o avião.

O MPF de Angra dos Reis, no litoral sul do Rio de Janeiro, abriu inquérito a respeito. A responsável é a procuradora da República Cristina Nascimento de Melo.
Na PF, o inquérito está sob responsabilidade do delegado chefe da corporação em Angra, Adriano Antonio Soares. O policial aguarda a chegada em Angra de um grupo da PF de Brasília, especializado em acidentes aéreos.
Fonte: G1