segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

ICÓ:Lapinha é atração no Centro-Sul

Nessa época do ano era comum a instalação de presépios em casas do Interior para simbolizar o nascimento do Menino Deus. Nas últimas décadas, os costumes mudaram e o Natal passou a ser mais um dia de festa comum. A tradição cristã, entretanto, se mantém viva nesta cidade pelo esforço de dois irmãos que há mais de 50 anos montam uma enorme lapinha.
A instalação é feita a cada ano na Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, nos fundos da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Expectação, no sítio histórico de Icó. A lapinha atrai moradores que diariamente visitam o conjunto de imagens. A atenção está voltada para a presença do Menino Jesus na manjedoura.
Esta cidade apresenta forte religiosidade popular. As festas religiosas atraem milhares de devotos. O presépio instalado na Capela do Socorro é uma mostra desse costume. Embora tenha começado pequeno, há mais de 50 anos, hoje reúne três mil peças, distribuídas num espaço de 30 metros quadrados.
A montagem do presépio foi uma iniciativa do funcionário público Almério Silva, agente administrativo do antigo DNER (hoje DNIT), que faleceu em 1996, aos 72 anos. "Era um homem de forte religiosidade, havia sido seminarista e sentiu a motivação em montar um presépio para homenagear o nascimento de Jesus Cristo", conta o comerciário e filho adotivo, Marciano Pereira Tavares. "Todos os anos ele se dedicava a fazer a montagem, com gosto e devoção".
Marciano cresceu vendo a lapinha ser montada. Após a morte do pai adotivo, sentiu-se impulsionado a dar continuidade ao trabalho. "É uma tradição que não pode morrer", disse. Juntamente com o irmão, Márcio Tavares, manteve o costume. Os dois trabalham uma semana na montagem do presépio. "É um trabalho que dá prazer", diz.
O presépio funciona diariamente das 7h às 11h e das 17h às 22h, mas há dias em que fica aberto até a meia-noite. Atrai os católicos que retornam das novenas em louvor à Padroeira Nossa Senhora da Expectação e ao Senhor do Bonfim, cuja festa começou no último dia 23. Em meio aos milhares de personagens, ecoa no ambiente a voz grave do locutor Cid Moreira, que narra passagens bíblicas.
Fonte: Diário do Nordeste